O melhor de Almograve

O melhor de Almograve

Artigo original 11 Agosto 2017 por: TimeOut

Com Sol

MERGULHAR

Praia de Nossa Senhora Para quem gosta de praias pequenas, não vigiadas e mais abrigadas do vento, a Praia de Nossa Senhora, que partilha o estacionamento com a Praia Grande de Almograve, é uma boa opção. Estude as marés e aproveite-a na maré baixa, quando se formam algumas piscinas nas rochas – sim, sim, os miúdos que levem um camaroeiro às costas.

Tópico de conversa para a beira-mar: “Aqui à direita há uma praia selvagem, que é a Praia da Foz dos Ouriços. Primeiro tens de passar a Praia da Foz e depois é que chegas lá, se fores andando sempre pelos trilhos da Rota Vicentina. Mas cuidado a descer.”

Praia do Brejo Largo É verdade que o Brejo Largo deixou de ser uma praia selvagem e deserta, é verdade que até o Google Maps ensina o caminho para lá chegar, mas há duas coisas que a protegem de possíveis invasões de massas: 1) o perigo 
de atascar o carro; 2) o longo caminho a pé que é preciso percorrer até meter os pés em areia firme. Para lá chegar à boa 
e velha maneira pré-telemóveis, tem de entrar na Longueira,
 virar na segunda à direita, seguir sempre em frente até à torre do depósito de água, virar à esquerda numa estrada de terra e continuar em frente até ver uma casa. Deixar aí o carro, atravessar as dunas à esquerda et voilá.

Tópico de conversa para a beira-mar: “Eh pá, eu juro que em tempos esta praia era considerada secreta.”

Praia secreta da 
Lapa das Pombas
 O nome é, evidentemente, inventado por nós. Já a praia foi inventada pela mãe natureza, que anda a corroer esta escarpa há milhares de anos para deixar
à vista uma pequenina baía com aquela pinta das praias desta zona do Alentejo: mar transparente, algumas rochas no fundo do mar e uma encosta a proteger do vento. É a última enseada antes do bonito porto Lapa das Pombas e o acesso faz-se pelo lado esquerdo de quem olha para o mar, num trilho de duna, primeiro, e depois numa curva em cotovelo que entra na zona de rocha. Com cuidado, claro está.

Tópico de conversa para a beira-mar: “Um pescador disse-me que do outro lado desta rocha [mão aponta para a esquerda] se apanham bons sargos.”

COMER

O Lavrador É conhecido na zona e arredores por ter sempre sargos da mais alta qualidade. E a fama é tanta que convém, logo que marcar mesa, pedir se lhe guardam um exemplar. Se ainda assim ficar a arder, há sempre carapaus, sardinhas, robalos, besugos, chocos, tudo o que o mar ali da zona trouxer. A apresentação
 à refeição, que aqui há uma esplanada com as condições perfeitas para essa prática pós-praia, faz-se com “petisquitos”, dizem na casa, como as amêijoas, os percebes ou as saladas frias.

Largo do Comércio, 1. 283 647 182. Seg- Dom 09.00-00.00.

É obrigatório comer os percebes d’O Josué (na foto). Em boa verdade devia ser obrigatório comer percebes em qualquer um dos destinos da costa alentejana. Mas se só puder fazê-lo numa morada, escolha este afamado restaurante da Longueira, onde a travessa chega à mesa com os percebes a escaldar, a saber
a mar e ainda a trazer os limos agarrados à pele. As amêijoas também fazem um brilharete.

Rua José António Gonçalves, 87.

Em caso de céu nublado

Uma caminhada desde a Praia Grande de Almograve até ao Porto Lapa das Pombas (na foto), um portinho idílico, sempre com barcos alinhados no mar e casas onde os pescadores guardam as tralhas 
e costumam almoçar depois da faina. São só 2 km, média de 25 minutos a andar. Isto se não parar para fotografias ou para puxar pelo físico nas estações do circuito de manutenção. Porque este é um dos casos onde o destino final é tão importante quanto o caminho.

Dá sempre jeito saber onde há uma churrasqueira com take-away como deve ser. Ora aponte: a Churrasqueira Isa, Isa dos Frangos para os moradores, fica em Almograve e tem frangos de 900 gramas em média, com um molho especial e secreto, afirma a própria, “melhor que o dos frangos da Guia, já me disseram.” Custa 7€, por mais 2€ leva batatas fritas e arroz de cenoura. Convém encomendar duas horas antes.

Rua 25 de Abril, Longueira-Almograve.

Fonte Original

Sobre autor

Your email address will not be published. Required fields are marked O teu endereço de email não vai ser publicado. Campos obrigatórios estão marcados.*